FACEBOOK

Página Oficial no Facebook
https://www.facebook.com/Prof.Joao.Oliveira

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Segurança




 Por João Oliveira
              
           A Análise Comportamental possui várias vertentes que podem ser aplicadas no dia a dia por qualquer pessoa com algum treinamento. Na área de segurança, seja pública ou privada, se torna uma ferramenta muito útil quando direciona nosso foco de observação para possíveis agressores e orienta o comportamento que deve ser seguido para nos sentirmos mais seguros.

               O processo se chama “Leitura Fria” que, nada mais é que a leitura da linguagem corporal. Sabemos que a nossa comunicação verbal não chega a 30% de tudo que passamos para o outro. Na verdade, o corpo diz mais sobre o que pensamos e, como pensamos, do que nossas palavras. Assim, ao observar a movimentação de uma pessoa, seu gestual ou até mesmo como ele se veste e interage com outras pessoas no ambiente, teremos informações valiosas sobre seu perfil comportamental e emocional. Sua intenção pode transparecer antes mesmo que algum ato possa ser feito e isto facilita a abordagem ao suspeito ou, se for o caso, contra medidas de afastamento da provável vítima.

               A outra vantagem de ser conhecer bem a Linguagem Corporal dentro da Análise Comportamental é saber administrar nossas próprias emoções. Controlar é quase impossível, afinal elas são muito rápidas e, quase sempre, imperceptíveis no início para quem as manifesta. Com o treinamento adequado uma mudança de postura corporal pode fazer muita diferença no que sentimos e no que expomos para as pessoas que nos observam. Uma boa postura muda o estado emocional e informa ao ambiente externo nossa condição de disposição. Assim controlando nossa comunicação corporal.

               O olhar deve deixar de ser generalista sobre o plano e cuidar mais dos detalhes. Um exemplo disto é que, para deixar o corpo mais à vontade, despreocupado, devemos ao chegar em qualquer lugar desconhecido cuidar de descobrir a localização de três coisas: banheiros, opções de saídas de emergência e um local onde exista área livre, onde seja possível “ver o céu”.

               O sistema de alerta do corpo se preocupa, mesmo que de forma inconsciente, com algumas variáveis no ambiente e, se você cuidar de dar as informações corretas seus sistemas de defesa irão baixar a guarda e deixar você mais liberado para aproveitar melhor o local onde se encontra. Isto sempre ocorre, mesmo contra a nossa vontade, pois a sobrevivência da espécie é algo instintivo, mais forte que tudo que desejamos ou possuímos.

               Tentar olhar para as pessoas com curiosidade sem, a princípio, muita especulação também é uma boa forma de fazer uma varredura de segurança. Observar itens específicos como bonés, casacos com capuz, pessoas que à distância trocam códigos com olhares. Na verdade parece um manual de paranóia, mas, se feito com tranquilidade, passa a ser uma rotina que lhe trará bons resultados.

               Coisas bem simples como destacar do grupo tudo que é diferente demais ou igual ao extremo, ou seja, fora do padrão, ou ainda, tentar perceber incongruências posturais, do tipo: o sujeito está bem vestido, mas os sapatos estão sujos ou as unhas das mãos mal cuidadas. Estes cuidados podem trazer alternativas de comportamento de sua parte que evitarão um possível evento danoso. Claro que é necessário que você evite movimentos rápidos e giros de 360° no local como se fosse um farol em alto mar. 

               Esqueça, de pronto, todos os estereótipos como: religião, sexo, raça, tatuagens e etc. A atitude deve ser de total isenção pois, quem deseja praticar um ato violento planejado, deve ter tido a cautela de ocultar qualquer símbolo que possa denunciá-lo ou facilitar seu reconhecimento. Somente os iniciantes – às vezes bem mais violentos que os ditos profissionais -  atuam quase que uniformizados para o crime. 

               Um treinamento de poucas horas pode fazer muita diferença na vida de qualquer pessoa. Embora não seja garantia de proteção total, pois, muitas ações são rápidas e não permitem uma avaliação antecipada. Para as tantas outras que enfrentamos nas ruas, bares e situações de convívio com muitas pessoas, a boa análise comportamental serve como uma excelente ferramenta para pessoas comuns e profissionais de segurança.
 

domingo, 29 de setembro de 2013

Turma de Análise Comportamental de 28/09/2013

Turma espetacular: (na foto da esquerda para direita)
 Bruno Costa Ribeiro de Souza,
Mariana Eloy Abrunhosa, 
Gabriel Brito Leite,
Bruna Costa Peixoto Primo
Eu (joão Oliveira) 
 Florival Francisco Ribeiro
Iara Cássia de Brito freire
Damis Almeida Nemitz 
Cassia CRISTINA Breia
Marcus Vinicius de Miranda da Silva
ELAINE CRISTINA ARAÚJO AGUIAR
 


segunda-feira, 18 de março de 2013

Hoje, 18/03/2013, no Barra Shopping

Hoje, dia 18 de março, às 19h00 estaremos na FNAC do Barra Shopping com um WORKSHOP aberto sobre Análise Comportamental:

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

A ENTREVISTA FINAL





                Tantas são as matérias, revistas e dicas preparatórias de entrevistas para empregos que os candidatos estão cada dia mais afinados para responder ou participar de qualquer dinâmica proposta. Alguns, que já passaram por vários processos seletivos, conhecem de cor os testes aplicáveis conseguindo ter performances admiráveis, o que os torna, na mesma proporção em que se preparam, um desafio maior para os analistas de RH, afinal, perguntam os profissionais do processo seletivo: “- Quem realmente está à minha frente? Um bom ator ou será um futuro colaborador maravilhoso?

                A postura corporal pode ser ensaiada, as respostas podem ser decorada,s as dinâmicas se repetem, assim como os testes. Então, qual é a última fronteira para se colher informações confiáveis de uma pessoa que se propõe a um cargo de extrema responsabilidade?

                Algumas coisas em nós são imutáveis como, por exemplo: os olhos (tem o mesmo tamanho desde que nascemos), as digitais e o DNA. Mas nada disto interessa para conhecermos da personalidade da pessoa, até porque seria absurdo (e ilegal) pedir um teste de DNA para conhecer a genética familiar. Deveríamos buscar no sujeito construções de suas emoções que pudessem indicar o seu perfil emocional ou seja, sua história comportamental para que facilitasse o direcionamento para o perfil de função mais correto.

                  Isto existe e está na cara!

                As emoções movimentam os músculos da face para que estes moldem as expressões. Muitas e repetidas emoções expressas acabam por deixar determinadas marcas, sulcos, que chamamos de rugas de expressão – nem todas as marcas do rosto têm a ver com as emoções –desta forma podemos conhecer um pouco da história emocional da pessoa analisando tais sinais externos.

                Da mesma forma que exercícios físicos repetidos na academia acabam por delinear um músculo do braço, a movimentação proporcionada pela expressão emocional acaba, com o passar dos anos, deixando linhas, como digitais, que são difíceis de serem extirpadas. Uma real assinatura da personalidade da pessoa. O que sou está exposto em meu rosto, não precisa me perguntar.

                Na verdade não podemos dizer como a pessoa é, mas podemos ter uma ideia de como ela foi durante boa parte de sua vida no quesito "emoções vivenciadas" e também é possível ver pelo músculo corrugador que, segundo Darwin é o músculo da personalidade,  seu modo de perceber o mundo.

                Hoje em dia mais e mais profissionais estão se aprimorando nesta arte que mais parece coisa de Ciganos ou Mentalistas, na verdade trata-se de uma linha de estudos da psicologia e pode auxiliar numa melhor comunicação entre pessoas. Sabendo como o sujeito respondeu a situações de pressões externas em sua vida, podemos auxiliar na melhor escolha possível de cargos dentro de uma empresa. 

                Os analistas comportamentais estão afinando este conhecimento e treinamentos rápidos podem dotar qualquer pessoa de conhecimentos básicos sobre o outro e, além disto, sobre si mesmo. Possivelmente, em um futuro próximo, as pessoas que não se utilizarem de recursos como botox ou intervenções estéticas (nada contra) serão mais valorizadas numa entrevista de emprego por serem mais “transparentes”. 

                Obviamente que usar deste recurso como elemento de desclassificação é, antes de qualquer coisa discriminação. Não se pode avaliar uma pessoa ao ponto de traçar uma sentença apenas por suas rugas de expressão afinal, repetimos, elas mostram o que fomos e não o que somos.

                Explicando melhor: durante anos alimentei um ódio por uma determinada pessoa, pensar nela me fazia mal e isto, inclusive tirava meu sono. Este ódio, sentimento, e raiva, emoção, acabaram por deixar uma marca característica que se localiza no alto do nariz no formato de uma marca horizontal bem parecida com a marca do aro de metal que une os óculos – quem usa bem sabe que marca é essa. Ocorre que ontem à noite eu e a tal pessoa nos encontramos e, entre vinhos e queijos nos perdoamos, mutuamente, e a paz voltou a reinar entre nós. Na verdade tudo foi um grande equívoco. Hoje, portanto, não alimento mais nenhum ódio, mas, adivinhe só – a marca deixada pela vivência emocional ainda está lá e permanecerá, provavelmente, para toda a vida.

                Estudos ainda estão sendo feitos. Programas de computador aclopados a câmeras estão espalhados em aeroportos e bancos de todo o mundo. Estes visam, mais que as marcas, detectar os movimentos sutis das microexpressões. Em São Paulo uma empresa antes ligada a Itautec está testando um sistema para lojas em shoppings: o cliente olhou para determinado produto na vitrine e sorriu para ele levemente é o suficiente para um vendedor ser avisado para abordar a pessoa e lhe oferecer um “desconto” por tal produto. O resultado em positivação de vendas está sendo apurado e pode ser que em breve tenhamos isto disponível também para salas de aula, bancos e entrevistas de empregos.

                A verdade é que hoje buscamos o melhor em todos os níveis e o aprimoramento pode levar, inclusive, em um futuro próximo, a uma série de exercícios para os músculos faciais desenvolverem o desenho certo para indicar o que queremos sobre nós. Antes de ser ruim, isto pode auxiliar a formação de um novo personal treiner  preocupado com o zigomático maior ou corrugador ou invés de bíceps e peitorais.
            


Para saber mais em nossos cursos e treinamentos presenciais e on line: